SP +55 11 3060 2300
RJ +55 21 2114 4444
DF +55 61 3344 0433

SP 55 11 3060 2300
RJ 55 21 2114 4440
DF 55 61 3344 0433

Facebook

Instagram

Twitter

LinkedIn

Menu
 

Covac Sociedade de Advogados esclarece dúvidas sobre EAD, reforma trabalhista e CEBAS

COVAC SOCIEDADE DE ADVOGADOS > Eventos  > Covac Sociedade de Advogados esclarece dúvidas sobre EAD, reforma trabalhista e CEBAS

Covac Sociedade de Advogados esclarece dúvidas sobre EAD, reforma trabalhista e CEBAS

Mantenedores participaram de evento promovido pelo escritório nesta tarde em São Paulo

 

A Covac Sociedade de advogados reuniu na tarde desta quarta-feira (27), em São Paulo, mantenedores de instituições de ensino superior para esclarecer suas principais preocupações diante das novas mudanças jurídicas no setor.

O evento começou com uma explanação do Dr. José Roberto Covac sobre o FIES e a medida provisória que propõe mudanças aos planos apresentados pelo governo. Segundo o advogado, a divisão em FIES 1, 2 e 3 não corresponde à realidade estudantil no Brasil e apresenta vários gargalos: “Precisamos de outras fontes de recursos, mas sabemos que há resistência, pois, a verdade é que o Ministério da Educação enfrenta um momento de dificuldade financeira. Por isso, nosso objetivo é fazer com que esse financiamento funcione da melhor forma possível, aproveitando ao máximo esse recurso”, comentou.

Na sequência, o Dr. Sérgio Sant’anna pontuou as principais mudanças na oferta, credenciamento e avaliação dos cursos a distância. Para o sócio da Covac Advogados, o Estado saiu do controle e entregou às IES mais autonomia em suas funções. “Isso exige atenção das instituições aos diversos aspectos da nova lei, mas ela é bastante clara e precisamos apenas nos adaptar”, ressaltou.  O advogado lembrou ainda que as regras de acessibilidade aplicadas ao EAD merecem atenção das IES, bem como a atuação de parceiros e a comunicação com os polos mesmo sem a necessidade de avaliação in loco.

Com relação à reforma trabalhista e suas implicações no ensino superior, o público presente levantou dúvidas do que diz respeito aos contratos de trabalho intermitentes, teletrabalho e o respaldo a essa prática, banco de horas e jornada de trabalho, além de contribuição sindical e contratação.

Dando continuidade ao evento, o Dr Daniel Cavalcante mostrou como a aplicação de projetos de compliance vêm auxiliando as instituições no cumprimento de maneira mais eficiente da legislação educacional. O advogado elencou os principais pilares para que o projeto de integridade tenha sucesso. “O objetivo é tornar as decisões mais fluidas e não travar as ações das organizações. Uma vez implantado, o programa de compliance garante segurança à instituição e um funcionamento correto independente do comportamento de seus funcionários”, justificou.

O palestrante destacou entre esses pilares a necessidade de envolvimento e exemplo da alta direção, criação de códigos de conduta, de inserção do assunto em treinamentos e comunicação interna, além do efetivo funcionamento dos canais de denúncia e investigação interna para que a instituição possa identificar o que não está funcionando e melhorar seus processos.

Citando casos do escritório, o advogado ressaltou como resultados a mudança de postura de funcionários, especialmente professores, o que consequentemente reduziu as reclamações de alunos, e o maior envolvimento dos colaboradores em todos os níveis.

O processo de certificação de entidades beneficentes de assistência social para instituições com atuação na educação foi assunto da última palestra do evento. O Dr. Kildare Meira reafirmou a necessidade do CEBAS. “Haverá nova votação sobre o assunto e o cenário não está claro, portanto a nossa orientação é que as entidades devem protocolar os pedidos de renovação do certificado enquanto a matéria não se esclarece”, alertou o advogado.

O assunto que já passou por várias audiências do Supremo Tribunal Federal não chegou a um consenso. As últimas decisões ressaltam que a definição de imunidade fiscal é regulada por lei ordinária, mas que a exigência do CEBAS não é inconstitucional.