SP +55 11 3060 2300
RJ +55 21 2114 4444
DF +55 61 3344 0433

SP 55 11 3060 2300
RJ 55 21 2114 4440
DF 55 61 3344 0433

Facebook

Instagram

Twitter

LinkedIn

Menu
 

Regulamentação do voto de qualidade no CARF

COVAC SOCIEDADE DE ADVOGADOS > Publicações  > Regulamentação do voto de qualidade no CARF

Regulamentação do voto de qualidade no CARF

Regulamentação do voto de qualidade no CARF

Kildare Meira e Augusto Paludo (*)

O Ministério da Economia publicou no último dia 3 de julho a Portaria 260/2020 disciplinando a proclamação de resultado de julgamentos no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) nas hipóteses de empate na votação. A medida se dá dois meses após alteração legislativa da sistemática então vigente.

A nova dinâmica, trazida no artigo 28 da Lei 13.988/2020, que inseriu o artigo 19-E na Lei 10.522/2002, prevê que, “em caso de empate no julgamento do processo administrativo de determinação e exigência do crédito tributário, não se aplica o voto de qualidade” – que consistia em voto em dobro pelo Presidente da Turma, necessariamente representante da Fazenda Nacional –, “resolvendo-se favoravelmente ao contribuinte”. Desse modo, se ocorrer empate no julgamento, a questão deverá ser resolvida de forma favorável ao contribuinte.

Em regra, toda norma regulamentadora é salutar, pois no limite de sua competência tende a aclarar e disciplinar questões não contempladas no texto da Lei. Contudo, salvo melhor juízo, não é o que se percebe da Portaria em comento, pois, a pretexto de regulamentar, verdadeiramente inova – senão, restringe – indevidamente o campo de aplicação da nova Lei, atribuição que não lhe é legítima.

Merece destaque especial a alínea “a”, do inciso I, do art. 3º, que estabelece que a proclamação de resultado do julgamento favorável ao contribuinte aplicar-se-á exclusivamente aos julgamentos ocorridos nas sessões realizadas a partir de 14 de abril de 2020, “considerando tratar-se de norma processual”.

Para além das relevantes discussões acerca da aplicabilidade ou não dos artigos 112 e 106, do Código Tributário Nacional, tal aspecto ganha especial relevância sob a constatação de que, invariavelmente, o CARF examina aplicação de sanções – de natureza tributária ou não – acompanhadas ou não da determinação de exigência de tributos.

Embora seja possível defender, até com bons argumentos, a natureza processual da nova Lei, é inegável que, tratando-se de normas processuais que tratem de pretensão punitiva, estas apresentam típico caráter de regra de direito material, portanto, também sujeitas às normas desta natureza, permitindo-se aplicação retroativa nas hipóteses favoráveis ao acusado.

Nestas circunstâncias, é a decisão final do CARF que define a condição necessária para punibilidade dos agentes autuados. O Supremo Tribunal Federal, ao editar a Súmula Vinculante 24, reconheceu que a decisão administrativa definitiva é condição objetiva da punibilidade do agente. Entende-se que, nestas hipóteses, absolutamente necessário o efeito retroativo da nova Lei.

Desse modo, não parece correto o dispositivo em questão, seja por suplantar o aspecto sancionatório da decisão administrativa e seus efeitos, seja pela indevida invasão sobre o campo da Lei, ao passo que, claramente, pretende regulamentar um assunto que a Lei não sugeriu qualquer regulamentação.

 

(*) Sócios da Covac Sociedade de Advogados