SP +55 11 3060 2300
RJ +55 21 2114 4444
DF +55 61 3344 0433

SP 55 11 3060 2300
RJ 55 21 2114 4440
DF 55 61 3344 0433

Facebook

Instagram

Twitter

LinkedIn

Menu
 

Correção monetária de débitos trabalhistas

COVAC SOCIEDADE DE ADVOGADOS > Publicações  > Correção monetária de débitos trabalhistas

Correção monetária de débitos trabalhistas

Dr. Felipe Augusto Rodrigues Soares, advogado associado da Covac Sociedade de Advogados

 

O colegiado do Supremo Tribunal Federal, em 18.12.2020, decidiu pela inconstitucionalidade da aplicação da Taxa Referencial (TR) na correção monetária de débitos trabalhistas e de depósitos recursais na Justiça do Trabalho. Enquanto o Legislativo não delibere a questão, serão aplicados o IPCA-E na fase pré-judicial e a taxa Selic, a partir da citação.

Considerando a modulação dos efeitos desta decisão adotada no julgamento conjunto das Ações Declaratórias de Constitucionalidade nº 58 e nº 59 e das Ações Diretas de Inconstitucionalidade nº 5867 e nº 6021, todos aqueles pagamentos realizados utilizando a TR, IPCA-E ou qualquer outro índice, no tempo e modo oportuno de forma judicial ou extrajudicial, inclusive os depósitos judiciais e juros de mora de 1% ao mês, são reputados válidos e não ensejarão qualquer rediscussão.

Aos processos em curso que estejam sobrestados ou em fase de conhecimento, independentemente de estarem com ou sem sentença, devem ter a aplicação de forma retroativa da taxa Selic, juros e correção monetária, sob pena de alegação de futura inexigibilidade.

A decisão possui efeito vinculante, alcançando os processos com decisão definitiva, sem possibilidade de recursos, em que não haja qualquer manifestação expressa sobre os índices de correção monetária e as taxas de juros.

O Ministro Gilmar Mendes, relator do processo, apelou que o Poder Legislativo corrija futuramente a questão, a fim de equalizar os juros e a correção monetária aos padrões de mercado, e quantos aos efeitos pretéritos da aplicação da taxa Selic.